ubalab

Partiu Tropixel

Produzir o festival Tropixel tem sido uma jornada incrível. O ritmo se intensificou nos últimos dias. Tenho feito jornadas extensas (ontem mesmo comecei às oito e quinze, e ainda não parei agora, quase duas da manhã de um novo dia). Além da comissão organizadora do festival que me acompanha, quase toda à distância, há meses, agora a Malu Andrade também chegou para somar. Hoje de manhã a Carolina Striemer me acompanhou pela cidade colando cartazes, e à tarde nossa filha me acompanhou por aí, negociando, conversando com as pessoas, chamando cada vez mais gente.

Sincronizando...

Ubatuba, 2013. Não só um lugar, também um tempo. Por uma série de motivos nossa cidade costuma ser descrita ou como anacrônica ou como atemporal. Em outras palavras: algumas pessoas acreditam que Ubatuba parou no tempo, está atrasada em relação ao ritmo que se esperava dela. Já outras imaginam que ela vive em uma dimensão na qual o tempo não corre, impassível ao que acontece no restante do mundo. Essas duas interpretações têm um sério efeito paralisante.

Grupo de estudos - Ubalab

O núcleo Ubalab está articulando a criação de um grupo de estudos sobre cultura digital experimental em Ubatuba, focado em refletir e propor ações que proponham o diálogo entre questões locais e as conversações em rede: o contexto da cidade como recanto ambiental, sua diversidade de manifestações culturais, os potenciais de desenvolvimento sustentável, a ciclocultura, o peixe, a chuva e quaisquer outros temas sobre os quais quisermos conversar.